terça-feira, 2 de junho de 2015

Cuidados Paliativos: Épreciso lembrar que doenças terminais e as doenças crônicas atravessam todas as faixas etárias, do recém-nascido ao idoso frágil.


Quando se trata de  pacientes com doenças crônicas, o acompanhamento durante todo o curso da doença, o amparo psicológico e a humanização do tratamento fazem parte das atividades do profissional de saúde que se dedica à Medicina Paliativa.    


Existe a necessidade de atenção especial paa estas situações.
Nesse cenário, surgem os cuidados paliativos (CP), uma modalidade de assistência e intervenção cujo alvo é a pessoa doente, com ênfase no alívio do sofrimento físico e no atendimento das demandas psicossociais e espirituais


Aliviar a dor e outros sintomas que geram sofrimento, além de afirmar a vida, são alguns dos princípios fundamentais dos cuidados paliativos, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Até mesmo empresas estão se especializando nesta área, fabricando produtos que facilitam o dia a dia das pessoas com algum tipo de necessidade especial. São elevadores, cadeiras de roda especiais, talheres (órteses), automóveis, camas, entre outros itens.

Os CP constituem-se num conjunto de medidas eficazes no combate à dor e outros sintomas físicos, bem como os emocionais, sociais, os ligados à espiritualidade e outros, e que devem ser aplicados por uma equipe treinada. 
Idealmente, a assistência inclui médicos, enfermeiros, psicólogos, assistentes sociais, nutricionistas, fisioterapeutas, fonoaudiólogos, terapeutas ocupacionais, cuidadores, musicoterapeutas e também profissionais de outras áreas, como direito, filosofia e teologia. 
Os cuidados paliativos constituem uma resposta indispensável aos problemas da cronicidade e do final da vida.
Em nome da ética, da dignidade e do bem-estar de cada ser humano, é preciso torná-los cada vez mais uma realidade. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário