quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Um pouco sobre minhas atividades


Saúde e Qualidade de Vida (QV) envolve vários temas...
É mais do que ter uma boa saúde física ou mental. É estar de bem com você mesmo, com a vida, com as pessoas queridas, enfim, estar em equilíbrio, inclusive com o meio ambiente!

 A OMS (Organização Mundial de Saúde) define saúde não apenas como a ausência de doença,
mas como um bem-estar físico, mental e social.

Isso pressupõe muitas coisas; hábitos saudáveis, cuidados com o corpo, atenção para a qualidade dos seus relacionamentos, balanço entre vida pessoal e profissional, tempo para lazer, saúde espiritual etc.

  Ser competente na gestão da própria saúde e estilo de vida deveria fazer parte das prioridades de todos.

  Já que é impossível passar pela vida sem mudanças, o que importa é como reagimos a elas...
 Para isso, pode ser necessário parar um pouco e refletir sobre como enxergamos nossas vidas, e sobre atitudes simples que podemos adquirir para uma vida mais saudável, em todos os sentidos...
Por acreditarmos que todos têm direito à SAÚDE INTEGRAL e à QUALIDADE DE VIDA,
um dos ramos de nossas intervenções está diretamente ligado a ambientes sociais tais como empresas e escolas, atuando nas empresas com o Programa de Qualidade de Vida no Trabalho. 
E na educação com o Projeto: Bullying- Identificar e Agir.

Com o projeto anti-bullying, nossa proposta é ajudar a implantar uma política de trabalho pedagógico que promova a discussão e o debate acerca das diversas formas de violência, da necessidade de combatê-la em  prol da construção de uma educação para a paz.






Nosso projeto anti-bullying. Há sim muito o que fazer!



 “O bullying é uma das formas de violência que mais cresce no mundo”, afirma Cléo Fante, pedagoga pioneira no estudo do tema no país. Segundo ela, o bullying pode acontecer em qualquer contexto social, como escolas, universidades, famílias, entre vizinhos e em locais de trabalho. “Identificamos casos de bullying em escolas das redes pública e privada, rurais e urbanas e até mesmo com crianças de 3 e 4 anos, ainda no Ensino Infantil”.


 Segundo Paulo Freire, a paz está intimamente ligada ao processo de transformação social, onde se torna possível superara violência, promovendo a igualdade e a justiça, respeitando assim os sujeitos e estimulando a paz. Acredita ainda, no diálogo entre os sujeitos, onde o ser humano é valorizado, sendo oferecido uma educação libertadora, que o ajude a construir uma sociedade com igualdade e solidariedade.

 Abordar essa questão nas escolas é algo fundamental, porque na escola também podemos ensinar as pessoas a serem melhores a cada dia. É comum encontrar entre os adultos uma quantidade considerável que traz consigo as marcas dos traumas que adquiriram nos bancos escolares. São sequelas que se evidenciam pelos prejuízos em aspectos essenciais à realização na vida, como dificuldades de lidar com perdas, relações afetivas, familiares e sociais, ou no desempenho profissional.

Educar para a paz é educar para a cidadania, para o respeito aos direitos humanos. A educação para a paz se fundamenta sobre princípios de solidariedade, tolerância e respeito às diferenças.

 Entre em contato e conheça mais sobre o nosso projeto "Bullying: identificar e agir." Por uma cultura de Paz!
O objetivo é trabalharmos juntos ao longo do ano letivo, no incentivo a uma cultura de paz e respeito às diferenças individuais, seja atuando na prevenção ou na solução dos problemas.

                               malu.bozzani@gmail.com