segunda-feira, 31 de maio de 2010

Nossa campanha permanente para uma cultura de paz...



Olá! Esse nosso site, você já sabe, mantém uma "campanha" permanente
para a paz, para a humanização, seja na Educação, na Saúde, no Trabalho... Temos que começar com os pequenos, não é mesmo? E...


“Qual ação é mais prioritária do que o resgate do cuidado devido que a infância merece?” – Frei Betto.
Afinal, mudamos sempre… aprendemos que “tudo muda o tempo todo no mundo”… e aprendemos também que “tudo passa… tudo sempre passará”!
Mas o que nunca passa é o amor, o cuidado que temos por nossos filhos, nossas crianças… esse nunca passa, mas se transforma… e ao mesmo tempo nos reeduca, nos empurra pra um caminho de compreensaõ, de entrega, de perdão, de abrir mão de “nossas verdades absolutas e inabaláveis”,  para dar espaço a eles, que ainda em seus casulos nos dão lições de vida, de renúncia, de paz, de amor…
“Os olhos têm de ser educados para que nossa alegria aumente.” E Rubem Alves continua: ‘É preciso ensinar às crianças que a felicidade é uma realidade interior…valores infinitos…valores de subjetividade, generosidade e solidariedade e a prática de serviços desinteressados.”
“Onde há Amor, há Vida.” – M. Gandhi
“A luz, por mais fraca que seja, vale mais que todas as trevas juntas” – Boff
Para ser borboleta? Metamorfose! Do corpo, da alma, do olhar… Que consigamos de alguma forma ajudar a iluminar o caminho das nossas crianças! Abraços!    Malu Bozzani

Deixo dois vídeos muito bonitos sobre esses temas:







Dia Mundial Sem Tabaco (31/05)

A saúde é uma das poucas coisas que nunca sai de moda!!!


   Neste ano, assim como em 2008, a agência de publicidade paulistana NovaS/B foi escolhida pela OMS para desenvolver a campanha do Dia Mundial sem Tabaco.
   E a moda também vai dará seu ar da graça nessa campanha mundial! O estilista francês Ilan Delouis assina a T-shirt da campanha "Sem Tabaco, 100% Fashion", que será lançada no Dia Mundial Sem Tabaco (31/05)



Dizer que o tabaco mata não é novidade e nem funciona para estimular as pessoas a não fumar. Um estudo feito por por psicólogos nos EUA, Suiça e Alemanha mostrou que mensagens como "fumar deixa você menos atraente" ou "o fumo afeta as pessoas mais próximas à você" são muito mais eficientes. Fica a dica quando você tiver o impulso de "puxar a orelha" de um amigo fumante: isso é chato e não funciona.
Então lembrem-se: a vida sem cigarro fica muito mais prazerosa!!!

(colaboração da minha irmã, Dra. Mariza Bozzani)

sábado, 22 de maio de 2010

Chico canta a realidade...

Brejo da Cruz

Chico Buarque


Já nem se lembram
Que existe um Brejo da Cruz
Que eram crianças
E que comiam luz

Tom e Vinícius

Roda Viva - Chico Buarque (raridade)

A ostra e a pérola / o ouro e a madeira



O Ouro e a Madeira

O ouro afunda no mar (no mar),
Madeira fica por cima(por cima),
A ostra nasce do lodo (do lodo),
Gerando pérola fina (bis)
Não queria ser o mar, me bastava a fonte.
Não queria ser a rosa, simplesmente o espinho.
Não queria ser caminho, porém o atalho.
Não queria ser a chuva, apenas o orvalho.
Não queria ser o dia, só a alvorada.
Não queria ser o campo, me bastava o grão.
Não queria ser o tempo, porém o momento.
Não queria ser conserto, apenas a canção.
O ouro afunda no mar (no mar),
Madeira fica por cima (po cima),
A ostra nasce do lodo (do lodo),
Gerando pérola fina.

segunda-feira, 17 de maio de 2010

domingo, 16 de maio de 2010

É preciso se renovar...

“Aprendi com as primaveras a me deixar cortar para
poder voltar inteira.”

(Cecília Meirelles)

Sobre saber "lidar com o inesperado"... saber viver!

Domingo na Associação HUmanitária

 Hoje tive o prazer e a honra de fazer parte das comemorações dos setenta e cinco anos da
Associação Humanitária "Amor e Caridade", em Jacareí. Uma tarde adorável...
Agradeço a todos pelo carinho com que fui recebida!


Visite o blog! Acesse: http://www.associacaohumanitaria.org.br/



Participação no Hospital Vivalle

Estive na Vivalle participando das homenagens à Semana da Enfermagem.
Abraços ao pessoal!


Dia Mundial Sem Tabaco (31/05)

A saúde é uma das poucas coisas que nunca sai de moda!!!


   Neste ano, assim como em 2008, a agência de publicidade paulistana NovaS/B foi escolhida pela OMS para desenvolver a campanha do Dia Mundial sem Tabaco.
   E a moda também vai dará seu ar da graça nessa campanha mundial! O estilista francês Ilan Delouis assina a T-shirt da campanha "Sem Tabaco, 100% Fashion", que será lançada no Dia Mundial Sem Tabaco (31/05).  



Dizer que o tabaco mata não é novidade e nem funciona para estimular as pessoas a não fumar. Um estudo feito por por psicólogos nos EUA, Suiça e Alemanha mostrou que mensagens como "fumar deixa você menos atraente" ou "o fumo afeta as pessoas mais próximas à você" são muito mais eficientes. Fica a dica quando você tiver o impulso de "puxar a orelha" de um amigo fumante: isso é chato e não funciona.
Então lembrem-se: a vida sem cigarro fica muito mais prazerosa!!!

(colaboração da minha irmã, Dra. Mariza Bozzani)

quarta-feira, 12 de maio de 2010

Palestra esse domingo às 15:30, aberta, gratuita

http://www.associacaohumanitaria.org.br/

Palestra Comemorativa dos 75 anos 
Associação Humanitária "AMOR E CARIDADE" 
R. Cônego José Bento, 567 - Jacareí - SP
Fundada em 12 de outubro de 1935 -
Amparando com Amor e Carinho

Em comemoração aos 75 anos de existência, a AHAC
convida a todos para assistir à palestra

"A Arte de Viver", que acontecerá no dia 16 de maio,
domingo, às 15h30,
com a palestrante Dra. Maria Lúcia Bozzani -
Médica Clínica e Intensivista.
Venha conferir.
Rua Cônego José Bento, 567 - Jacareí-SP.
"Saúde não é ausência de doença, é também  a
presença de bem estar físico e emocional."

sábado, 8 de maio de 2010

HOMENAGEM ÀS MAMÃES!





   Mãe... 
São três letras apenas
As desse nome bendito:

Também o céu tem três letras
E nelas cabe o infinito 
Para louvar a nossa mãe,

Todo bem que se disser
Nunca há de ser tão grande
Como o bem que ela nos quer

Palavra tão pequenina,
Bem sabem os lábios meus
Que és do tamanho do CÉU
E apenas menor que Deus!

Mário Quintana


 


  O DIA DAS MÃES é uma das datas mais importantes comemoradas em vários países.
  O dia das mães teve início nos EUA, quando uma jovem perdeu sua mãe e entrou em depressão. Então, amigos resolveram fazer uma festa em homenagem à mãe da jovem. 

Quando é o dia das mães? – No Brasil, o dia das mães é comemorado no segundo domingo de maio. Em alguns países a data é fixa, variando por vários dias e meses. Quem oficializou o dia foi Getúlio Vargas em 1932.

Presente Dia das mães: sugestões e dicas

O que dar de persente de dia das mães? Essa pergunta é bastante comum principalmente entre os jovens. Mas por mais óbvio que pareça, apesar de sua mãe se agradar com absolutamente qualquer presente, seja criativo. Mas sem esquecer de flores, um café da manhã levado na cama pessoalmente, muitos beijos, carinho e o principal: não esqueça de dizer pra sua mãe que você a ama!
Sobre as sugestões de presentes para dia das mães, entram flores, passeio, algo que você tenha feito com as próprias mãos ou alguma felicidade, como contar que vai ser pai, que passou de ano, etc.

Vídeo de homenagem às mães:

 

 

 

 

 





quinta-feira, 6 de maio de 2010

MINHA HOMENAGEM A MEUS AMIGOS ENFERMEIROS!



Muita luz em seus caminhos!

Malu

PARABÉNS A TODOS OS MEUS AMIGOS ENFERMEIROS!



A Enfermagem, ao longo de sua evolução, apresenta três fases distintas:

- a empírica ou primitiva, no período anterior a Florence Nightingale;
- a evolutiva, também chamada de Idade de Florence; e
- a de aprimoramento, como é conhecida a fase atual.
A fase empírica é mencionada apenas como ponto de partida dos estudos de enfermagem. Nesta época, não havia profissionais ou equipamentos adequados, e o número de leigos que cuidavam dos doentes era elevado, o que colocava em risco a vida de várias pessoas.

A Idade de Florence, ou seja, a segunda fase, teve início com os trabalhos de Florence Nightingale, também conhecida como a "Dama da Lâmpada". Florence, devido ao seu talento e inteligência, é personagem marcante na elevação do status da atividade de Enfermagem. Durante cerca de cinco décadas (1854 a 1907), Nightingale lutou pelo reconhecimento desta tão combatida profissão, com seu incomparável espírito de sacrifício e renúncia.

Florence Nightingale, ao retornar da guerra da Criméia — onde teve a oportunidade de ampliar e aperfeiçoar seus conhecimentos — fundou a Escola de Enfermagem do Hospital Saint Thomas, que mais tarde receberia o nome de Escola de Enfermagem Nightingale. Lá foram criadas as bases do ensino de Enfermagem, com a preparação das primeiras enfermeiras diplomadas.

A terceira etapa do processo de desenvolvimento desta atividade é uma conseqüência dos conhecimentos acumulados por Florence Nightingale, representando um elevado privilégio para a atividade de Enfermagem

terça-feira, 4 de maio de 2010

Vídeo - o que é bullying












     Acesse!    http://nomorebullying.zip.net/







PALESTRA 10 de maio

Próxima segunda estarei participando da SEMANA DA ENFERMAGEM, abordando entre outros temas a importância de "cuidar de si".
Click na imagem para uma melhor visualização.

Todos são bem vindos!

Vale a pena conferir os outros dias também!

Abraço

Malu

domingo, 2 de maio de 2010

DIGA NÃO AO BULLYING!

Falamos em Qualidade de vida, em viver melhor...e é muito triste ver que muitas vezes nas escolas já há, entre crianças e adolescentes, tantos preconceitos, tantos atos desumanos! Transcrevo abaixo um texto sobre o assunto.
 Fala de um projeto que defende os mesmos ideais que comentamos nesse blog, no CQV, nas palestras... Sei que o Serginho Groisman está solicitando que quem quiser entrar nessa campanha a favor do respeito, da dignidade, e contra qualquer forma de preconceito, divulgue esse conhecimento a seus amigos, familiares!


Contato: malu.bozzani@gmail.com



Para ver mais sobre bullying acesse:

Nossa campanha permanente para a paz...

Vídeo - o que é bullyng 


Cyberbullying: a violência virtual

 http://www.bullying.pro.br/

 http://www.neteducacao.com.br/portal_novo/?pg=artigo&cod=1527


Malu Bozzani


Contato: malu.bozzani@gmail.com










FENÔMENO BULLYING E AS SUAS CONSEQÜÊNCIAS PSICOLÓGICAS
Cleodelice Aparecida Zonato Fante *
Na atualidade, um dos temas que vem despertando cada vez mais, o interesse de profissionais das áreas de educação e saúde, em todo o mundo, é sem dúvida, o do bullying escolar. Termo encontrado na literatura psicológica anglo-saxônica, que conceitua os comportamentos agressivos e anti-sociais, em estudos sobre o problema da violência escolar.
Sem termo equivalente na língua portuguesa, define-se universalmente como “um conjunto de atitudes agressivas, intencionais e repetitivas, adotado por um ou mais alunos contra outro(s), causando dor, angústia e sofrimento”. Insultos, intimidações, apelidos cruéis e constrangedores, gozações que magoam profundamente, acusações injustas, atuação de grupos que hostilizam, ridicularizam e infernizam a vida de outros alunos, levando-os à exclusão, além de danos físicos, psíquicos, morais e materiais, são algumas das manifestações do comportamento bullying.
O bullying é um conceito específico e muito bem definido, uma vez que não se deixa confundir com outras formas de violência. Isso se justifica pelo fato de apresentar características próprias, dentre elas, talvez a mais grave, seja a propriedade de causar “traumas” ao psiquismo de suas vítimas e envolvidos. Possui ainda a propriedade de ser reconhecido em vários outros contextos, além do escolar: nas famílias, nas forças armadas, nos locais de trabalho (denominado de assédio moral), nos asilos de idosos, nas prisões, nos condomínios residenciais, enfim onde existem relações interpessoais.
.
Trata-se de um problema mundial, encontrado em todas as escolas, que vem se disseminado largamente nos últimos anos e que só recentemente vem sendo estudado em nosso país. .
Segundo especialistas, as causas desse tipo de comportamento abusivo são inúmeras e variadas.   Em nossos estudos constatamos que 80% daqueles classificados como “agressores”, atribuíram como causa principal do seu comportamento, a necessidade de reproduzir contra outros os maus-tratos sofridos em casa ou na escola. Em decorrência desse dado extremamente relevante, nos motivamos em pesquisas e estudos, que nos possibilitou identificar a existência de uma doença psicossocial expansiva, desencadeadora de um conjunto de sinais e sintomas, a qual denominamos SMAR - Síndrome de Maus-tratos Repetitivos.
O portador dessa síndrome possui necessidade de dominar, de subjugar e de impor sua autoridade sobre outrem, mediante coação; necessidade de aceitação e de pertencimento a um grupo; de auto-afirmação, de chamar a atenção para si. Possui ainda, a inabilidade de expressar seus sentimentos mais íntimos, de se colocar no lugar do outro e de perceber suas dores e sentimentos.
Sendo repetidamente exposta a estímulos agressivos, aversivos ao seu psiquismo, a criança os introjeta inconscientemente ao seu repertório comportamental e transforma-se posteriormente em uma dinâmica psíquica “mandante” de suas ações e reações. Dessa forma, se tornará predisposta a reproduzir a agressividade sofrida ou a reprimi-la, comprometendo, assim, seu processo de desenvolvimento social.
As conseqüências para as “vítimas” desse fenômeno são graves e abrangentes, promovendo no âmbito escolar o desinteresse pela escola, o déficit de concentração e aprendizagem, a queda do rendimento, o absentismo e a evasão escolar. No âmbito da saúde física e emocional, a baixa na resistência imunológica e na auto-estima, o stress, os sintomas psicossomáticos, transtornos psicológicos, a depressão e o suicídio.
Para os “agressores”, ocorre o distanciamento e a falta de adaptação aos objetivos escolares, a supervalorização da violência como forma de obtenção de poder, o desenvolvimento de habilidades para futuras condutas delituosas, além da projeção de condutas violentas na vida adulta.  Para os “espectadores”, que é a maioria dos alunos, estes podem sentir insegurança, ansiedade, medo e estresse, comprometendo o seu processo socioeducacional.
Este fenômeno comportamental atinge a área mais preciosa, íntima e inviolável do ser, a sua alma. Envolve e vitimiza a criança, na tenra idade escolar, tornando-a refém de ansiedade e de emoções, que interferem negativamente nos seus processos de aprendizagem devido à excessiva mobilização de emoções de medo, de angústia e de raiva reprimida. A forte carga emocional traumática da experiência vivenciada, registrada em seus arquivos de memória, poderá aprisionar sua mente a construções inconscientes de cadeias de pensamentos desorganizados, que interferirão no desenvolvimento da sua autopercepção e auto-estima, comprometendo sua capacidade de auto-superação na vida.
Dependendo do grau de sofrimento vivido pela criança, ela poderá sentir-se ancorada a construções inconscientes de pensamentos de vingança e de suicídio, ou manifestar determinados tipos de comportamentos agressivos ou violentos, prejudiciais a si mesma e à sociedade, isto se não houver intervenção diagnóstica, preventiva e psicoterápica, além de esforços interdisciplinares conjugados, por toda a comunidade escolar. Nesse sentido podemos citar as recentes tragédias ocorridas em escolas, como por exemplo, Columbine (E.U.A.); Taiuva (SP); Remanso (BA), Carmen de Patagones (ARG) e Red Lake (E.U.A.).
Esta forma de violência é de difícil identificação por parte dos familiares e da escola, uma vez que a “vítima” teme denunciar os seus agressores, por medo de sofrer represálias e por vergonha de admitir que está apanhando ou passando por situações humilhantes na escola ou, ainda, por acreditar que não lhe darão o devido crédito. Sua denúncia ecoaria como uma confissão de fraqueza ou impotência de defesa. Os “agressores” se valem da “lei do silêncio” e do terror que impõem às suas “vítimas”, bem como do receio dos “espectadores”, que temem se transformarem na “próxima vítima”.
Algumas iniciativas bem sucedidas vem sendo implantadas em escolas dos mais diversos países, na tentativa de reduzir esse tipo de comportamento. De forma pioneira no país, implantamos um programa antibullying, denominado de “Programa Educar para a Paz”, por nós elaborado e desenvolvido, em uma escola de São José do Rio Preto. Como resultado, obtivemos índices significativos de redução do comportamento agressivo e expressiva melhora nas relações entre alunos e professores, além de melhorias no desempenho escolar.
O “Programa Educar par a Paz”, pode ser definido como um conjunto de estratégias psicopedagógicas que se fundamenta sobre princípios de solidariedade, tolerância e respeito às diferenças. Recebeu esse nome por acreditarmos que a paz é o maior anseio das crianças envolvidas no fenômeno, bem como de toda a sociedade. Envolve toda a comunidade escolar, inclusive os pais e a comunidade onde a escola está inserida.
As estratégias do programa incluem o trabalho individualizado com o envolvidos em bullying – visando à inclusão e o fortalecimento da auto-estima das “vítimas” e a canalização da agressividade do “agressor” em ações pro-ativas – bem como o envolvimento de toda escola, pais e a comunidade em geral.
Grupos de “alunos solidários” atuam como “anjos da guarda” daqueles que apresentam dificuldades de relacionamento, dentro e fora da escola. Grupos de “pais solidários” auxiliam nas brincadeiras do recreio dirigido, junto aos “alunos solidários”. A interiorização de valores humanistas, bem como a discussão de “situações-problema” de cada grupo-classe, são estratégias que visam a educação das emoções, sendo desenvolvidas semanalmente, durante o encontro entre os tutores e suas turmas. Ações solidárias em prol de instituições filantrópicas são objetivos comuns a serem alcançados pela escola e comunidade.
Acreditamos que se existe uma cultura de violência, que se dissemina entre as pessoas, podemos disseminar uma contracultura de paz.
Se conseguirmos plantar nos corações das crianças as sementes da paz – solidariedade, tolerância, respeito ao outro e o amor -, poderemos vislumbrar uma sociedade mais equilibrada, justa e pacífica. Construir um mundo de paz é possível, para isso, deve-se primeiramente construí-lo dentro de cada um de nós.
O Programa Educar para a Paz, vem sendo implantado em inúmeras escolas de todo o país, por ser de fácil adaptação à realidade escolar e por apresentar resultados, num curto espaço de tempo da sua implantação. Atualmente, promovemos cursos de formação de multiplicadores do Programa, atendendo tanto à rede particular de ensino como a pública, além de cursos de pós-graduação, com fundamentação em Psicanálise e Inteligência Multifocal. Em decorrência do contato direto com profissionais de educação, detectamos um dado surpreendente: é expressivo o número de profissionais que foram envolvidos pelo fenômeno quando estudantes e que trazem consigo suas conseqüências.
Por constatarmos altos índices de sintomas de stress entre eles, incluímos no Programa, o cuidado com a saúde emocional e o controle do stress. Acreditamos que pessoas saudáveis educam, crianças saudáveis. Nossa equipe atua sob supervisão psicológica e é composta por pedagogos e psicólogos.
* Cleodelice Aparecida Zonato Fante - Doutoranda em Ciências da Educação pela Universidade de Ilhas Baleares, Espanha. Pesquisadora do Bullying Escolar. Autora do Programa Educar para a Paz. Conferencista. (cleofante@hotmail.com)*