domingo, 1 de novembro de 2009

Mário Quintana


A CANÇÃO DA VIDA
 
A vida é louca
a vida é uma sarabanda
é um corrupio...
A vida múltipla dá-se as mãos como um bando
de raparigas em flor
e está cantando
em torno a ti:


Como eu sou bela
amor!
Entra em mim, como em uma tela
de Renoir
enquanto é primavera,
enquanto o mundo
não poluir
o azul do ar!


Não vás ficar
não vás ficar aí...como um salso chorando
na beira do rio...
(Como a vida é bela! como a vida é louca!)



Mario Quintana (Esconderijos do Tempo)



SEISCENTOS E SESSENTA E SEIS
 
A vida é uns deveres que nós trouxemos para fazer em casa.
Quando se vê, já são 6 horas: há tempo...
Quando se vê, já é 6ªfeira...
Quando se vê, passaram 60 anos...
Agora, é tarde demais para ser reprovado...
E se me dessem - um dia - uma outra oportunidade,
eu nem olhava o relógio.
seguia sempre, sempre em frente ...

E iria jogando pelo caminho a casca dourada e inútil das horas. 


Mario Quintana ( In: Esconderijo do tempo)
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário